MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 no caso do sítio de Atibaia

Compartilhar:

O Ministério Público Federal (MPF) reforçou o pedido para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e mais 12 réus na ação penal do sítio de Atibaia (SP), atribuído ao petista, sejam condenados.

O reforço foi feito nas alegações finais do processo, protocoladas na noite de segunda-feira. Agora, os demais envolvidos – a Petrobras e as defesas dos acusados – também precisam protocolar as alegações finais. Após essa fase, a sentença do caso poderá ser proferida pela Justiça. 

De acordo com o G1, o MPF pediu também que os réus percam os bens ou valores obtidos através dos crimes, além da reparação dos danos em favor da petroleira, no valor de R$ 155 milhões. A previsão é de que a sentença só saia no ano que vem, já que o prazo para apresentação das alegações finais pela defesa termina em 7 de janeiro, por causa do recesso do Judiciário, com início no próximo dia 20 de dezembro e término em 6 de janeiro de 2019.

Além de Lula, são réus no processo o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht; o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro (Léo Pinheiro); o pecuarista José Carlos Bumlai; o ex-executivo da OAS, Agenor Franklin Medeiros, ex-executivo da OAS; o ex-assessor especial da Presidência Rogério Aurélio Pimentel; o ex-presidente do Conselho de Administração do Grupo Odebrecht à época, Emílio Odebrecht; o ex-executivo da Odebrecht Alexandrino de Alencar, ex-executivo da Odebrecht: lavagem de dinheiro; o ex-diretor da Odebrecht, Carlos Armando Guedes Paschoal; o advogado Roberto Teixeira; o empresário e sócio de um dos filhos de Lula, Fernando Bittar; ex-engenheiro da OAS Paulo Gordilho; e o ex-engenheiro da Odebrecht Emyr Diniz Costa Junior, ex-engenheiro da Odebrecht: lavagem do dinheiro.

O MPF pediu também para, que depois que a Justiça determinar as penas, sejam dimensionadas as sanções para os delatores, conforme é previsto nos acordos de colaboração de cada um. São delatores nesse processo: Emílio Odebrecht, Alexandrino Alencar, Carlos Armando Guedes Paschoal e Emyr Diniz Costa Junior. Todos eram ligados à Odebrecht.

Segundo o MPF, Lula recebeu propina das empreiteiras por meio de obras feitas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia. A escritura do imóvel está em nome de Fernando Bittar, mas que o órgão defende que ele pertence, na verdade, ao ex-presidente.

Compartilhar:

Aviso:

Os Comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Catu Notícias.

É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ou direitos de terceiros.

Comentários postados que não respeitem os critérios, poderão ser removidos sem prévia notificação.

Deixe seu Comentário