Gera, deputados, prefeitos e Sindipetro BA discutem sobre hibernação de poços na Bahia

Compartilhar:

O prefeito de Catu, Gera Requião, participou na manhã desta segunda-feira (4) de uma videoconferência com deputados baianos, prefeitos, diretoria e membros do Sindipetro BA. Em pauta: a paralisação das atividades dos campos de petróleo da Petrobrás na Bahia.
O assunto que tem causado grande preocupação vem mobilizando também diversos atores sindicais e políticos – nos campos dos poderes executivo e legislativo – e tem se tornado urgente, pois a estatal já deu inicio à hibernação dos campos nessa segunda (4), começando pelo Campo de Dom João (São Francisco do Conde). A hibernação (fechamento) poderá atingir os campos de Taquipe, Candeias, Santiago e Miranga, localizados nos municípios de São Francisco do Conde, Candeias, São Sebastião do Passé, Catu e Pojuca.

Nos demais campos terrestres, localizados nos municípios de Araçás, Alagoinhas, Entre Rios, Esplanada, Cardeal da Silva e Mata de São João, a Petrobrás deve cancelar todo o processo de investimento para o ano de 2020, o que impede a manutenção ou aumento da produção. Isso vai contribuir com o declínio dos campos da UO-BA, que geram cerca de 5 mil postos de trabalho diretos e indiretos.

Além do prefeito Gera Requião, presidente do Consorcio Público do Território do Litoral Norte e Agreste Baiano, participaram da reunião os prefeitos de Alagoinhas (Joaquim Neto), Araçás (Gracinha), Pojuca (Duda Leite), Cardeal da Silva (Mariane Mercuri), São Sebastião do Passé (Breno) e assessoria do prefeito Pitágoras (Candeias).

Decisão:

Os deputados federais Bacelar, Joseildo Ramos e Marcelo Nilo, presentes na reunião, irão se articular para convocar com urgência o diretor da Petrobrás, Carlos Alberto, para a realização de uma videoconferência com os parlamentares, prefeitos e a diretoria do Sindipetro para tratar desse assunto. Presente também no encontro, o deputado estadual Rosemberg Pinto vai propor uma articulação junto às Assembléias Legislativas da Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte, Ceará e Espírito Santo; além de solicitar ao governador Rui Costa que leve essa discussão ao Consórcio de Governadores do Nordeste. “Em meio à pandemia, essa decisão poderá desempregar aproximadamente 4 mil funcionários terceirizados em toda região, além de transferir funcionários da empresa para outras unidades. A luta do Sindipetro Bahia é a nossa luta! Precisamos mais do que nunca nos unir para reverter essa decisão. Essa decisão, além de resultar em um grande número de pais de famílias desempregados, também vai prejudicar os municípios neste momento tão crítico”, pontuo Gera.

Compartilhar:

Aviso:

Os Comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Catu Notícias.

É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ou direitos de terceiros.

Comentários postados que não respeitem os critérios, poderão ser removidos sem prévia notificação.

Deixe seu Comentário