Pazuello diz que vacina aplicada em SP descumpre acordo com Butantan e é ‘contra lei’

Compartilhar:

A aplicação da primeira dose da vacina contra Covid-19 Coronavac, em cerimônia conduzida pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), minutos após aprovação da Anvisa para uso emergencial (leia aqui), “está em desacordo com a lei”, na percepção do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Logo após a aprovação por unânimidade pelos técnicos da Anvisa, a enfermeira Mônicas Calazans, de 54 anos, recebeu a primeira dose da Coronavac, neste domingo (17). Ela é funcionária da ala de UTI do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo (leia mais aqui). 

Em seguida o Ministério da Saúde realizou uma entrevista coletiva e o titular da pasta, Eduardo Pazuello, destacou que o acordo do governo federal com o Instituto Butantan, responsável por produzir a Coronavac no Brasil, é de que todas as doses devem ser entregues ao Ministério.

“Todas as vacinas do Butantan estão contratadas de forma integral e  exclusiva”, disse Pazuello. “Todas incluive essa que foi aplicada agora”, acrescentou.

Questionado sobre o fato do governo de São Paulo já ter aplicado a primeira dose a resposta do ministro foi de que se tratava de “uma questão jurídica”.

“Tudo que esteja no estado de São Paulo no Butantan é contratado e pago pela União. 100% das doses. A coordenação do plano nacional é do Ministério da Saúde. Está pactuado com os govervadores que serão distribuídas de forma proporcional e entregues simultaneamente, qualquer movimento fora desta linha está em desacordo com a lei”, disse Pazuello. 

BN

Compartilhar:

Aviso:

Os Comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Catu Notícias.

É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ou direitos de terceiros.

Comentários postados que não respeitem os critérios, poderão ser removidos sem prévia notificação.

Deixe seu Comentário